Manutenção residencial: como proteger o seu imóvel?

A manutenção residencial ainda é considerada um gasto extra no orçamento familiar, na maioria das vezes. No entanto, é com as manutenções que você pode preservar a estrutura física, além de acidentes, mantendo assim uma casa sempre valorizada e segura.

Pensando nisso, separamos algumas dicas para você proteger seu imóvel, prevenindo possíveis falhas e corrigindo problemas já instaurados. Confira tudo a partir de agora!

 

Qual é a importância da manutenção residencial?

De forma geral, fazer manutenção residencial é a ação de conservar os aspectos físicos do imóvel com o intuito de evitar acidentes e outros problemas. Por isso, o investimento periódico em manutenção é tão importante. Assim, é possível preservar as estruturas, instalações elétrica e hidráulica, decoração e os revestimentos internos e externos.

Descubra agora como proteger o seu imóvel, conhecendo os tipos de manutenção residencial!

Manutenção Preventiva 

Como diz o ditado: é melhor prevenir do que remediar. Esse tipo de manutenção é o primeiro e tido como o mais importante. Ele serve para evitar que problemas se instaurem e danifiquem partes da estrutura ou equipamentos. 

Com isso, fazendo da maneira certa, é possível usufruir de alguns benefícios. Por exemplo, você pode ter uma redução de gastos com manutenção corretiva, agilidade nas análises dos problemas, aumento de vida útil dos revestimentos, dentre outros.

Para fazer manutenção preventiva completa, atente-se principalmente para detalhes como as instalações elétricas e hidráulicas, evitando, por exemplo, as famosas infiltrações e coisas que decorrem delas, como o mofo. Segundo especialistas, essa manutenção pode ser feita a cada 6 meses.

Manutenção Preditiva

Para mapear e monitorar falhas e problemas, escolha a manutenção preditiva. Antes de mais nada, um detalhe: não confundir preventiva com preditiva. Apesar de ser muito comum no setor industrial, a manutenção preditiva, surge como uma nova solução em manutenção para os bens imóveis.

Para ficar claro, essa manutenção consiste em predizer através de uma análise dedutiva. Por isso, ela está sendo muito usada em casas e apartamentos que utilizam a automação. Afinal, é por meio dela que o técnico consegue prever possíveis falhas nos equipamentos eletrônicos e acionamentos automáticos.

Manutenção Corretiva

O problema já se instaurou? Então, é preciso corrigir o mais rápido possível antes que atinja outras partes do imóvel ou danifique mais equipamentos. A manutenção corretiva age diretamente sobre o problema, isto é, na região danificada. Por isso, na maioria dos casos, pode sair bem mais caro.

E os exemplos de manutenção corretiva são: rachaduras, mofos, revestimento danificado, etc. Lembrando que os problemas podem ser causados por eventos externos como raios e chuvas fortes. No entanto, o aconselhável é que você faça manutenções preventivas e preditivas antes, para que diminua a probabilidade dos problemas aparecerem.  

 

Como visto, há três formas principais para realizar manutenção residencial. E, apesar de a preventiva ser a mais indicada, não existe a mais importante ou a melhor. Escolher por aplicar todas as três vai lhe proporcionar mais conforto, segurança, economia e bem-estar. Além, é claro, de proteger a integridade física do seu imóvel, deixando-o sempre valorizado e desejado, em casos de vendas ou aluguéis.   

Vai construir ou reformar? Confira também nosso post sobre como escolher os revestimentos internos do seu imóvel.